Ganhe até
$50000
por convidar amigos
para receber o Bônus StartUp
da InstaForex
Não é necessário investimento!
Comece a negociar sem
investimentos e riscos
COM O NOVO BÔNUS
STARTUP 1000$
Receba o bônus
55%
da InstaForex
em todos os depósitos
+ Responder ao Tópico
Resultados de 1 a 2 de 2

Thread: Indústria da moda investe em produção sustentável

  1. #1
    Senior Member
    Data de Registro
    Nov 2017
    Postagens
    230
    Accumulated bonus
    26.50 USD
    Obrigado
    43
    Agradeceu 103 vezes em 49Postagens

    Indústria da moda investe em produção sustentável

    Definidas em conjunto com grandes players do setor, as medidas apontam tópicos que vão ao encontro dos princípios da ABVTEX (Associação Brasileira do Varejo Têxtil), entidade que representa as principais redes de varejo de moda do País. O fórum sustentável Global Fashion Agenda (GFA) acaba de divulgar a primeira edição histórica de um relatório com medidas que devem estar nos planos de curto e longo prazo das empresas envolvidas com moda sobre os investimentos em sustentabilidade.

    O “CEO Agenda 2018” foi lançado antes do principal evento mundial sobre sustentabilidade no mundo da moda, o Copenhaguen Fashion Summit, que acontece em 15 e 16 de maio na Dinamarca, e antecipa as bases dos debates.
    O movimento consciente no mundo da moda envolve não só consumidores, mas todos os elos da cadeia produtiva, como fornecedores, fabricantes e varejistas. “Sempre atentas às principais tendências do setor e discussões globais, as redes de varejo de moda associadas à ABVTEX vêm trabalhando as medidas e contam com o apoio e articulação da entidade para alcançar os objetivos de construir um ambiente de negócios sustentável”, aponta Edmundo Lima, diretor executivo da ABVTEX.(#Envolverde)

  2. <a href="http://www.mt5.com/forex_humor">Форекс портал</a>
  3. #2
    Senior Member
    Data de Registro
    Nov 2017
    Postagens
    336
    Accumulated bonus
    33.90 USD
    Obrigado
    24
    Agradeceu 209 vezes em 83Postagens

    Cresce investimento em moda sustentável no Brasil

    A produção frequente e rápida de peças de pouco custo, conhecido como fast fashion, é uma tendência das grandes marcas desde os anos 1990. Esse modo de confecção levou a indústria da moda a ocupar o segundo lugar no ranking dos mais poluentes do mundo, segundo a BBC. Diante disso, a preocupação com novos hábitos para conscientizar e harmonizar a vida no planeta tem gerado transformações em atitudes e ideais de cada pessoa. Um desses costumes é a moda sustentável ou “eco fashion”, um nicho do mundo da moda que empresários têm aplicado, cada vez mais, confiança e capital.

    De acordo com o Instituto Akatu, organização não governamental que trabalha, sem fins lucrativos, pela conscientização e mobilização da sociedade para o consumo consciente, a moda sustentável é voltada para 5% da população brasileira. Ou seja, para quase 10 milhões de pessoas que se preocupam em realizar um consumo menos prejudicial ao meio ambiente. Esse mercado no Brasil, conforme o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), é explorado por alguns estilistas renomados, por pequenas empresas e novos nomes que percebem uma oportunidade nesse nicho, apesar de encontrarem algumas dificuldades.

    Um obstáculo para quem se interessa em investir no ramo sustentável é o de se adequar a uma nova lógica de produção. “Pesquisa, consultoria e adequação nas produções requerem investimento e isso pode, inicialmente, impactar o financeiro da empresa”, afirma a fundadora do Instituto Ecotece, Ana Cândida Zanesco, ao Sebrae. Outro empecilho é o preço das peças, que custam 30% a mais que as tradicionais. Por causa da confecção artesanal e em menor escala, as roupas sustentáveis podem encarecer quando comparadas às peças feitas em empresas de “fast fashion”.

    Brechós

    Com o aumento do investimento empresarial em moda sustentável e a busca de preços baixos por consumidores, os brechós, lojas de artigos usados, ganham cada vez mais adeptos. Ainda de acordo com o Sebrae, o número de lojas que vendem produtos de segunda mão cresceu 23% de 2013 a 2015.

    Orleanne Barreto, fundadora do brechó Retroagir, não imaginava o quanto seu empreendimento iria crescer. Após o retorno dos consumidores, Orleanne investiu no ramo e estudou os propósitos e o bem que a loja de artigos usados poderia fornecer para ela, seus clientes e, de certa forma, para o mundo. “Foi por uma necessidade [financeira]. Sem perceber, por ser um brechó, ele já estava engajado no ser sustentável e mais econômico. Então, apenas busquei aprofundar mais no assunto e começar a ter esse pensamento que muito importa”, conta.

    Orleanne acredita que as pessoas estão cada vez mais conscientes em saber qual a origem dos produtos comprados e torce para que a atitude não seja transitória. “Mais informações sobre o assunto estão sendo visados. Fico muito feliz com essa nova preocupação dos consumidores e torço para não ser mais uma modinha, e sim um movimento”, opina.

    Sustentabilidade


    Para falar de sustentabilidade no mundo da moda é preciso refletir acerca dessa mudança comportamental. Segundo Renata Santiago, designer de moda e professora da Universidade de Fortaleza (Unifor), isso está conciliado à cultura e o local onde cada um está inserido. “A moda tem essa capacidade de penetrar no âmbito cultural e embutir novos valores como a gente se comporta com as pessoas, com as coisas e com os objetos. Sustentabilidade nada mais é que a gente cuidar das coisas”, afirma.
    Pensar nesse contexto é analisar o ambiente, a economia e a sociedade. Quando se fala em moda sustentável, se trata do uso de métodos e processos menos poluentes, com o intuito de diminuir o impacto ambiental. “Produção de roupa é desde a fibra do tecido até como esse consumidor vai consumir, como ele vai ter acesso ao produto já pronto”, esclarece a professora Renata. Assim, nesse estilo são fabricadas peças com fibras orgânicas, tecidos eco-friendly (linho, bambu, algodão orgânico), corantes naturais, tecidos descartáveis e com o uso do upcycling (construção de peças com materiais que já existem).

    Ética

    “Quando a gente fala de moda ética, que é outro conceito pregado pelo uso da sustentabilidade na moda, a gente leva em consideração os direitos humanos e dos animais”, diz Renata. Nessa perspectiva, são fabricados produtos cruelty free, em que a proposta busca, além de explorar como é feita a fibra dos produtos, realizar um comércio justo.

    Cruelty free significa “livre de crueldade”. A moda ética se baseia em empregar mulheres e grupos étnicos, produzir em pequena escala e sem componentes de origem animal, valorizar a tradição histórica do povo e a cultura local de onde as roupas estão sendo produzidas, além de não realizar testes em animais. Esse conceito abrange a remuneração justa para todos, ou seja, quem produzirá as peças, quem lida com os fornecedores e, também, os consumidores por meio de um preço justo.

    Moda consciente

    De acordo com Renata, moda consciente é a integração dessa percepção social com a fabricação de roupas que podem ser para a vida inteira. Quem consome de maneira consciente tende a obter produtos da slow fashion, “em que a gente produz menos roupas, mas peças com melhores condições ambientais, sociais, com transparência em toda a cadeia produtiva”, diz Santiago.

    A sustentabilidade da moda é construída tendo como base as modas ética e consciente. Para a professora, a moda sustentável abrange uma percepção ética, de consciência do ambiente e da economia. “No final das contas, tudo é e se resume a se preocupar com o que vem depois e a frear um pouco esse consumismo exacerbado e essa produção desenfreada que tanto nos prejudica”, explica.
    Last edited by Fernando Maya; 05-23-2018 at 03:43 PM.

+ Responder ao Tópico

Permissões de postagens

  • You may not post new threads
  • You may not post replies
  • You may not post attachments
  • You may not edit your posts