A cotação do petróleo registrava ganhos pelo segundo dia nesta sexta-feira, reduzindo ainda mais o declínio semanal.

A recuperação ocorria devido a expectativas de que uma reunião entre autoridades chinesas e norte-americanas no final de agosto possa compensar as tensões recentes.

Os mercados estavam preocupados com a possível guerra comercial entre os Estados Unidos e a China, o que desaceleraria o crescimento econômico global e reduziria o consumo de energia, ao passo que um impasse entre os EUA e a Turquia provocou temores de contágio entre os mercados emergentes.

O petróleo dos EUA se dirigia a uma queda de 3% nesta semana e o petróleo Brent estava no caminho de perdas semanais de 1,7%.

Ainda nesta sexta-feira, a Baker Hughes divulgará seus dados mais recentes sobre a produção dos EUA.

A contagem de sondas nos EUA, um indicador precoce da produção futura, teve aumento de 10 e totalizou 869 na semana passada, maior nível desde março de 2015, de acordo com a Baker Hughes, empresa prestadora de serviços a campos petrolíferos.