O governo da China chamou de "irresponsáveis" as acusações de que estaria por trás de um ataque hacker contra os servidores da Microsoft, em março passado.

A primeira resposta do país asiático chegou por meio de suas embaixadas na Austrália e na Nova Zelândia, duas nações que culpam Pequim pela ação cibernética, assim como Estados Unidos, Reino Unido, Canadá e União Europeia.

Em comunicado, a sede diplomática chinesa em Wellington chamou as acusações de "totalmente infundadas e irresponsáveis", enquanto a embaixada em Canberra acusou a Austrália de ser um "papagaio" da retórica dos EUA, a quem definiu como "campeões mundiais dos ataques informáticos danosos".