O que é um endereço furtivo?
Endereços furtivos são usados em transações feitas por meio de criptomoedas em uma rede blockchain para ocultar o acesso público às partes envolvidas nas transações. Os endereços furtivos operam fazendo com que o remetente use um endereço único para cada transação, mesmo que várias transações sejam feitas com o mesmo destinatário. Como resultado, os endereços furtivos são úteis para garantir a privacidade dos destinatários dos pagamentos em criptomoeda e seus detalhes financeiros.
No entanto, endereços furtivos enfrentaram escrutínio de reguladores e autoridades fiscais, pois endereços não públicos podem ser usados para comportamento ilegal, incluindo lavagem de dinheiro, tráfico de drogas e financiamento de atividades terroristas.
PRINCIPAIS CONSIDERAÇÕES
• Endereços furtivos são uma técnica para obscurecer transações públicas de blockchain gerando endereços únicos para cada transação.
• As redes Blockchain envolvem transações com pseudônimos, o que significa que uma vez que as informações pessoais são vinculadas a uma chave criptográfica, as transações que usam essa chave podem ser rastreadas na blockchain.
• Os endereços furtivos cresceram em popularidade devido, em parte, a preocupações sobre hackers terem acesso a carteiras digitais e roubar moedas de criptomoedas.
• Endereços furtivos enfrentaram escrutínio de reguladores e autoridades fiscais, pois podem ser usados para comportamento ilegal, incluindo lavagem de dinheiro.
Entendendo um endereço furtivo
Uma rede blockchain é um livro-razão distribuído semelhante a um banco de dados compartilhado que contém transações, que são compartilhadas com todos os participantes da rede. Muitos blockchains que operam hoje ou Ledgers públicos nos quais os detalhes da transação são visíveis para os participantes no blockchain. No entanto, as partes envolvidas são identificadas por seus endereços de blockchain que são o resultado das chaves públicas.
Uma transação padrão em um blockchain precisa de um endereço público pertencente ao destinatário, o que não é um bug, mas um recurso do blockchain. As transações são pseudônimas, o que significa que um endereço público está vinculado a um indivíduo, mas a identidade desse indivíduo é desconhecida dos participantes ou do público. Ao proteger a identidade dos participantes na rede, ajuda a evitar fraudes e falsificações digitais. No entanto, os recursos de proteção de identidade da tecnologia blockchain não são 100% infalíveis, o que deu origem a endereços furtivos.
Riscos para um Blockchain público
A desvantagem de um blockchain baseado em livro-razão distribuído é que é possível determinar a identidade de um indivíduo por trás de seu endereço de blockchain analisando seus dados de transação e padrões de compra. Uma chave pública pode ser rastreada até a identidade de uma pessoa (por meio de um endereço IP, por exemplo), levando a que todas as transações que usaram essa chave sejam rastreadas em todo o blockchain.
Por exemplo, se você deseja solicitar fundos de caridade, pode ser necessário fornecer seu endereço público de destino para o qual os fundos de criptomoeda podem ser enviados. Como resultado, isso revelará seu endereço de destino, o que permite que as partes com informações suficientes atribuam identidades a esses endereços para rastreá-los, incluindo onde os fundos são gastos posteriormente. A vantagem para uma instituição de caridade é a transparência total e forçada. No entanto, nem todos podem querer que suas doações para uma instituição de caridade se tornem uma porta de entrada, permitindo o rastreamento de suas outras transações privadas.

A blockchain do Bitcoin, por exemplo, usa um livro-razão público e a falta de transparência nas transações do Bitcoin pode colocar os indivíduos em risco se o livro-razão mostrar que eles têm uma grande quantidade de moedas, o que pode ser um convite para ladrões de hackers. Também é uma situação complicada para os comerciantes que aceitam pagamentos em criptomoeda. Se seu endereço público permanecer fixo e conhecido, todos saberão sobre as possíveis identidades de seus clientes e suas transações subsequentes.
História de endereços furtivos
Bitcoin e Ethereum são duas das redes blockchain mais populares, mas ambas usam um livro-razão público distribuído. As redes públicas de blockchain levaram muitos participantes a questionar os recursos de segurança que cercam o anonimato das redes. Aumentaram as preocupações sobre hackear dados financeiros e roubar moedas de criptomoeda rastreando a identidade de uma pessoa por meio de seu histórico de transações, como quando elas sacam suas moedas digitais. Como resultado, a necessidade de tecnologia de aprimoramento de privacidade incorporada em redes blockchain cresceu.
Os endereços furtivos foram propostos por Peter Todd em 2014. O mecanismo do endereço furtivo usa uma combinação de várias chaves públicas e privadas que são dinâmicas e de uso único. Alguns endereços furtivos são criados usando o protocolo Diffie-Hellman de curva elíptica.1 No entanto, vários protocolos e tipos de endereços furtivos foram criados ao longo dos anos, incluindo recursos que protegem a privacidade de um indivíduo e o desenvolvimento de criptomoedas privadas.
A corrida está para os desenvolvedores criarem recursos de privacidade aprimorados que ocultam completamente a identidade de um usuário e a quantidade de dinheiro ou ativos criptográficos em suas carteiras digitais. Os endereços furtivos protegem a privacidade dos receptores de criptomoedas, exigindo que o remetente use um endereço aleatório e único para cada transação. Como resultado, várias transações feitas com o mesmo destinatário não podem ser vinculadas, pois cada transação possui um endereço de uso único. Por exemplo, Monero é uma criptomoeda que foi desenvolvida especificamente para garantir a privacidade de seus participantes.2
Preocupações sobre endereços furtivos
De acordo com um relatório divulgado em 2020 pela Força-Tarefa Digital Cibernética do Procurador Geral dos EUA, o cibercrime tem uma camada adicional de complexidade quando os criminosos usam o ecossistema blockchain. “O crime vem se expandindo para além das fronteiras nacionais há anos, mas o blockchain leva essa globalização a outro nível”. O relatório faz referência a como as transações de blockchain podem ser processadas em questão de minutos, que na maioria das vezes transcendem as fronteiras soberanas e territoriais. Além disso, algumas exchanges de criptoativos operam fora dos Estados Unidos e seus requisitos regulatórios.
O relatório continuou dizendo que o combate ao crime financeiro enfrentou desafios crescentes, em parte, devido a plataformas descentralizadas, como blockchains não públicos ou privados, incluindo aqueles com “criptomoedas aprimoradas pelo anonimato”. Como resultado, esse anonimato torna mais fácil ocultar transações financeiras do "escrutínio legítimo".
Atividade Ilícita e Criptomoedas
Os crimes que envolvem redes blockchain e criptomoedas não são necessariamente novos e podem incluir o seguinte:
• Lavagem de dinheiro, que envolve atos para blindar de onde veio dinheiro ou renda para evitar o pagamento de impostos ou outros requisitos legais
• Compra e venda de drogas ou armas na dark web
• Solicitação de fundos para apoiar atividades terroristas
A Cyber Digital Task Force descobriu que os criminosos estão aproveitando cada vez mais os recursos da criptomoeda para promover e ocultar comportamentos ilegais.
Endereços furtivos e comportamento ilícito
Endereços furtivos e blockchains privados tornam mais desafiador para as autoridades rastrear transações envolvendo comportamento ilegal. O Departamento de Justiça dos EUA menciona criptomoedas específicas pelo nome que oferecem "criptomoedas aprimoradas por anonimato (AECs) ou moedas de privacidade", que incluem Monero e Zcash.
Em 13 de agosto de 2020, o Departamento de Justiça anunciou o desmantelamento de campanhas cibernéticas usadas para financiar atividades terroristas envolvendo as Brigadas al-Qassam. De acordo com a denúncia do governo, as Brigadas al-Qassam solicitaram doações de Bitcoin por meio de mídias sociais e outros sites nos quais alegavam que as doações seriam “irrastreáveis e usadas para apoiar causas violentas”. O grupo postou vídeos em seu site mostrando como fazer “doações anônimas usando endereços Bitcoin exclusivos”.


Futuro dos endereços furtivos
Os endereços furtivos oferecem enormes oportunidades para proteger a privacidade envolvendo transações e dados financeiros. À medida que o crime cibernético aumenta, empresas e indivíduos provavelmente procurarão maneiras de se proteger de ter seus dados e informações de contas financeiras expostos a fraudadores. No entanto, considerando a capacidade dos endereços furtivos de ocultar atividades ilegais, é seguro dizer que haverá maior escrutínio nos próximos anos por agências reguladoras, autoridades fiscais e governos.
Por exemplo, moedas de privacidade e endereços furtivos têm sido um método de evasão fiscal que levou o Internal Revenue Service (IRS) a agir. A Operação Tesouro Escondido foi projetada para reprimir a evasão fiscal por participantes de criptomoedas. A operação deverá envolver o IRS e a Agência da União Europeia para a Cooperação Policial (Europol).
Exemplo de endereços furtivos
Por exemplo, um usuário (vamos chamá-lo de Ken) em uma blockchain suportada por endereço furtivo está segurando cinco tokens de criptomoeda. Ken tem controle total sobre as fichas, desde que as mantenha. Se ele desejar enviar todos eles para Paul, ele gerará uma saída de transação, que anunciará à rede que Ken está enviando cinco tokens para Paul. Como resultado, Paul se torna o legítimo proprietário das cinco fichas.
A carteira de Ken usará a chave de visualização pública de Paul e sua chave de gasto público e a combinará com sequências aleatórias de dados que geram a chave pública única e única para a saída de Paul. Enquanto outros na rede podem ver uma transação sendo gravada, ninguém além de Ken e Paul saberá que ocorreu entre Ken e Paul.
Usando a chave de visualização privada de sua própria carteira, Paul poderá localizar a transação no blockchain e recuperá-la em sua carteira. Usando a chave privada única que corresponde à chave pública única para a transação, Paul ganhará o direito de gastar a criptomoeda. Em nenhum lugar neste processo os endereços de carteira do remetente ou do destinatário são tornados públicos.
Como esses endereços de uso único gerados aleatoriamente são criados para cada transação em nome do destinatário, os endereços furtivos adicionam uma camada adicional de privacidade. A Monero, conhecida por sua privacidade e anonimato, está usando endereços furtivos como base para sua transação.