Apesar dos avanços significativos, as criptomoedas permanecem altamente controversas; enquanto alguns o consideram “a próxima internet”, outros veem o Bitcoin como “mal”. Na sua forma mais simples, eles são a mais nova moda das fintechs; no entanto, em sua forma mais complexa, eles são uma tecnologia revolucionária que desafia os fundamentos políticos e sociais da sociedade. Este artigo irá desmistificar o apelo das criptomoedas, sua complexa tecnologia subjacente e seu valor. Também examinará as questões contábeis, regulatórias e de privacidade em torno do espaço.

Sumário executivo
Tamanho e tecnologia do mercado de criptomoedas





Tipos de criptomoedas




Investir em criptomoedas



Problemas pendentes



Introdução
Bitcoin, blockchain, ofertas iniciais de moedas, éter, trocas. Como você sem dúvida notou, as criptomoedas (e seu jargão correspondente) causaram bastante alvoroço na mídia, fóruns online e talvez até em suas conversas na hora do jantar. Apesar do burburinho, os significados desses termos ainda escapam à compreensão de muitas pessoas. Talvez possamos colocá-lo de forma tão simples quanto Stephen Colbert faz abaixo, mas seremos um pouco mais precisos.

Originalmente conhecidas por sua reputação de paraísos para criminosos e lavadores de dinheiro, as criptomoedas percorreram um longo caminho – no que diz respeito ao avanço tecnológico e à popularidade. Diz-se que a tecnologia subjacente às criptomoedas tem aplicações poderosas em vários setores, desde saúde até mídia.
Com isso dito, as criptomoedas permanecem controversas. Enquanto críticos como o economista Paul Krugman e Warren Buffet chamaram o Bitcoin de “mal” e uma “miragem”, outros, como o capitalista de risco Marc Andreessen, os consideram “a próxima internet”. Para cada pessoa que declara que as criptomoedas estão em uma bolha, há outra insistindo que elas são a próxima onda da democratização das finanças. Em sua forma mais simples, eles são apenas a mais nova moda das fintechs; ainda no nível mais complexo, eles são uma tecnologia revolucionária que desafia os fundamentos políticos, econômicos e sociais da sociedade.
Este artigo tentará desmistificar o apelo das criptomoedas, sua complexa tecnologia subjacente e por que uma moeda puramente digital é capaz de ter valor. Também examinará as questões pendentes em torno do espaço, incluindo sua evolução contábil e tratamento regulatório.
O que é uma criptomoeda e por que usá-la?
Criptomoedas são ativos digitais que usam criptografia, uma técnica de criptografia, para segurança. As criptomoedas são usadas principalmente para comprar e vender bens e serviços, embora algumas criptomoedas mais recentes também funcionem para fornecer um conjunto de regras ou obrigações para seus detentores – algo que discutiremos mais adiante. Eles não possuem valor intrínseco, pois não são resgatáveis por outra mercadoria, como ouro. Ao contrário da moeda tradicional, eles não são emitidos por uma autoridade central e não são considerados moeda legal.
Neste ponto, o uso de criptomoedas é amplamente limitado aos “early adopters”. Para escala, existem cerca de 10 milhões de detentores de Bitcoin em todo o mundo, com cerca de metade mantendo Bitcoin apenas para fins de investimento. Objetivamente, as criptomoedas não são necessárias porque as moedas apoiadas pelo governo funcionam adequadamente. Para a maioria dos adotantes, as vantagens das criptomoedas são teóricas. Portanto, a adoção mainstream só virá quando houver um benefício tangível significativo de usar uma criptomoeda. Então, quais são as vantagens de usá-los?

PSEUDONIMIDADE (PRÓXIMO DO ANONIMATO)
A compra de bens e serviços com criptomoedas ocorre online e não exige a divulgação de identidades. No entanto, um equívoco comum sobre criptomoedas é que elas garantem transações completamente anônimas. O que eles realmente oferecem é pseudônimo, que é um estado quase anônimo. Eles permitem que os consumidores concluam as compras sem fornecer informações pessoais aos comerciantes. No entanto, do ponto de vista da aplicação da lei, uma transação pode ser rastreada até uma pessoa ou entidade. Ainda assim, em meio a crescentes preocupações com roubo de identidade e privacidade, as criptomoedas podem oferecer vantagens aos usuários.
COMPRA PEER-TO-PEER
Um dos maiores benefícios das criptomoedas é que elas não envolvem intermediários de instituições financeiras. Para os comerciantes, a falta de um “intermediário” reduz os custos de transação. Para os consumidores, há uma tremenda vantagem se o sistema financeiro for hackeado ou se o usuário não confiar no sistema tradicional. Para efeito de comparação, se o banco de dados de um banco fosse invadido ou danificado, o banco ficaria completamente dependente de seus backups para restaurar qualquer informação ausente. Com criptomoedas, mesmo que uma parte fosse comprometida, as partes restantes continuariam a poder confirmar transações.

Name:  Capturar 1.PNG
Views: 12
Size:  29.5 KB


Still, cryptocurrencies are not completely immune from security threats. In one of the “largest digital heists in history,” the Decentralized Autonomous Organization (DAO), a decentralized fund intended to democratize the funding of Ethereum projects, was hacked. The decentralized application (DAPP) built on top of the Ethereum currency was hacked and hackers gained control of one-third of the fund ($55 million). Fortunately, most of the funds were restored. However, the incident shook the community and prompted the SEC’s decision to subject offerings and exchanges to US securities laws.
PROGRAMMABLE, “SMART” CAPABILITIES
Certain cryptocurrencies can confer other benefits to their holders, including limited ownership and voting rights. For example, a cryptocurrency-funded organization can include voting rights in the currency’s software code. Cryptocurrencies could also include fractional ownership interests in physical assets such as art or real estate.
Cryptocurrency Technology
Much of the cryptocurrencies’ popularity and security advantages are derived from its groundbreaking technological innovation.
Blockchain Technology Explained
Blockchain technology underlies Bitcoin and many other cryptocurrencies. It relies on a public, continuously updating ledger to record all transactions that take place. Blockchain is groundbreaking because it allows transactions to be processed without a central authority—such as a bank, the government, or a payments company. The buyer and seller interact directly with each other, removing the need for verification by a trusted third-party intermediary. It thus cuts out costly middlemen and allows businesses and services to be decentralized.
Another distinguishing feature of blockchain technology is its accessibility for involved parties. It’s akin to Google Docs, where multiple parties can access the ledger at once, in real time. Today, if you write a friend a check, you and your friend balance your respective checkbooks when it’s deposited. But things start to go awry if your friend forgets to update their checkbook ledger, or if you don’t have enough in your bank account to cover the check (which the bank has no way of knowing beforehand).
With blockchain, you and your friend would view the same ledger of transactions. The ledger is not controlled by either of you, but it operates on consensus, so both of you need to approve and verify the transaction for it to be added to the chain. The chain is also secured with cryptography, and significantly, no one can change the chain after the fact.